editorial | especial | debate | imprensa em foco
mídia eletrônica | cultura | perfil | nostalgia
  olho vivo | canal do leitor | e-mail | expediente
anteriores
| próximas edições |
inicial


Exceção em meio ao estresse

Isadora Schmitt 

Jornalismo é considerado hoje um ramo de alto risco. Não só pelas ameaças e armadilhas que o profissional pode enfrentar. Mas também pelo cansaço físico provocado pela correria das redações. O ritmo de trabalho nem sempre é dos mais saudáveis, pois muitos viram noites e passam dias atrás de notícias para sobreviverem na profissão.

Mas será que existe qualidade de vida no jornalismo? Depende. Os veículos mensais - geralmente de caráter mais ideológico e especializado - evidentemente dispõem de mais tempo para o fechamento de suas edições. O que beneficia a saúde e muitas vezes o rendimento dos profissionais desse segmento. 

O tempo que um impresso diário e até mesmo semanal necessita para a execução de suas matérias geralmente é curto. Apesar dos mais experientes já estarem acostumados com a rotina, pouco a pouco, a saúde vai sendo desgastada. Sem contar os cafezinhos e entorpecentes que muitos tomam para se manterem acordados durante a jornada de trabalho. 

Se a redação da IstoÉ ou da Veja fica estressante em dia de fechamento, o mesmo não se pode falar da Super Interessante, Caros amigos, Claudia e outras. Sendo as primeiras, veículos semanais, muitas pautas acabam surgindo em cima da hora. Já um periódico mensal - por trabalharem geralmente com pautas frias - apresentam uma rotina mais calma e saudável. 

Os jornais-laboratórios também não estão livres da análise. Estudantes que escrevem para os veículos diários e semanais, na maioria das vezes, encontram-se mais estressados que os que escrevem para mensais. A estudante de jornalismo da PUC-RS, Paula Pereira - que participou da redação do jornal-laboratório mensal Hipertexto - gostou muito de escrever para o impresso. Ela ressaltou a tranqüilidade e a assistência que é dada pelos professores responsáveis pelo projeto. 

Realmente escrever para um veículo mensal pode ser mais inspirador. Não só pelo fator tempo, mas pela tranqüilidade e qualidade de vida, fatores escassos na profissão. Mesmo assim, existem profissionais para todos os tipos de impresso. O que seria dos meios de curta periodicidade se não fossem os seus profissionais? Existem corpos que agüentam e outros não. É uma questão de adaptação e até mesmo de personalidade.


                       
                                   

     

criação: lisandro staut