home |
   
  Reportagem    
      Oficina de verdades e mentiras: o lado sombrio da mídia    
      “Não é novidade que todo ser humano adora uma boa teoria conspiratória, mas com isso, fatos são encobertos ou distorcidos, boatos propagados e lendas urbanas semeadas. A verdade se torna questionável, duvidosa e manipulada por interesses de alguns grupos ou do poder dominante.”


   
     
   
     
família kennedy
Apolo 11
"Ricos, famosos e amaldiçoados"
Apolo, qual sua origem?
Lady di
caso roswell
Algo de podre no Reino Unido
A conspiração de Roswell
   
 
         
  joão paulo I  
  O silêncio de um sorriso  
  Tiago Cabreira  
     
  código da vinci  
  Código de blá-blá-blá  
  Ana Carolina Riguengo  
 
 
lady di
 
  Algo de podre no Reino Unido  
  Larissa Jansson  
     
 
família kennedy
 
  "Ricos, famosos e amaldiçoados"  
  Paulo Mondego  
     
 
amazônia
 
  Muito barulho por quase nada  
  Danúbia Guimarães  
     
 
presidentes brasileiros
 
  Lembranças da morte  
  Dayse Bezerra  
 
  11/09  
  Torres da conspiração  
  Giancarlo Sorvillo  
     
  antrax  
  Pó do pânico  
  Dayse Bezerra  
         
  mídia sem máscara  
  A verdade dos "mitos"  
  Caroline Ferraz  
     
  Mensagem subliminar  
  Manipulador de mentes  
  Milenna Vieira  
     
  rede voltaire  
  Conspiração à la francesa  
  Marisa Ferreira  
 
  Apolo 11  
  Apolo, qual sua origem?  
  Rodrigo Galiza  
     
     
 
  et de varginha  
  Pauta de outro mundo  
  Giancarlo Sorvillo  
     
  silvio santos  
  A teoria do óbvio  
  Andréia Moura  
     
  caso roswell  
  A conspiração de Roswell  
  Bruna Campos  
     

Ernesto Yoshida - jornalista, freelancer das revistas Exame, Você S/A e Superin- teressante, foi editor-chefe da edição especial da Super O livro negro das conspirações.

“Acho que um dos padrões mais comuns de teorias conspiratórias é o que envolve a morte de pessoas famosas, seja um político, um artista ou outra celebridade. Muitas vezes uma teoria conspiratória surge como uma manifestação de inconformismo. Por exemplo, as pessoas não aceitam que um ídolo seu possa ter morrido de causas naturais e imaginam que algo importante está sendo escondido da opinião pública. E a imaginação corre mais solta ainda se a morte tiver ocorrido de forma repentina ou violenta, como num acidente".

 
 

Pega fujão, ops, ladrão!

 
 

30 anos de perda

 
  Equipe feminina  
  Caça aos jornalistas  
   
  "Jornalistas passam tanto tempo tentando descobrir o que há por detrás dos fatos, que não se pode mensurar onde termina o relato íntegro dos acontecimentos e onde começa a mera interpretação pessoal." (Fabiana Siqueira)

Nosso próximo tema será "mídia e saúde": envie seu artigo, reportagem, crônica ou texto para:
 
 
  Livro  
  Como eles roubaram o jogo, David A. Yallop  
     
  Revista  
  O livro negro das conspirações (Superinteressante)  
     
Filmes  
   
Super size me fahrenheit 9/11
     
  Dieta ao extremo  
     
  "Pedra" no sapato de Bush  
 
  I Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo  
  Curso de jornalismo esportivo  
  Oficina de jornalismo no Rio Grande do Sul  
 

Gripe aviária, câncer, febre aftosa, stress e outras mazelas são cada vez mais comuns nas pautas dos grandes veículos de comunicação. No entanto, a quantidade nem sempre quer dizer qualidade. Até que ponto lobbys de empresas tabagistas ou a ditadura da imagem que insiste em confundir saúde com estética afetam a abordagem da mídia? A próxima edição do Canal irá analisar a quantas anda a cobertura da imprensa sobre saúde em meio a tantos interesses e ideologias. E mais: confira a história do médico Dráuzio Varela e sua experiência com portadores de HIV no Carandiru. Você não perde por esperar! Até a próxima edição!

 
 
 

"Cuidado! Isso pode acabar sobrando para você também, leitor! Sugiro que suspenda a leitura do Canal agora! Não podemos nos responsabilizar por perseguições de socie- dades secretas contra o bom jornalismo, a responsabili- dade social da mídia e seus adeptos!."

 
 

 
 
 

“Isso é bom para que nós, enquanto profissionais, seja- mos humildes diante dos desafios da boa comuni- cação. O erro de informação é uma ferida aberta que nunca cicatriza.“

 
   
   
 

...Silvio Santos fosse o presidente?


“Talvez construiria um estúdio no Palácio da Alvorada. Talvez colocaria câmeras na sua sala e gravaria os programas lá mesmo.

 
“A verdade é que os americanos são fanáticos por teorias conspirató- rias. Não seria exagero dizer que, hoje em dia, esse é o verdadeiro ame- rican way of life .”
 
PEU K, músico
FONTE: O livro negro das cons- pirações, da Superinteressante.
 
da quar- ta-feira, 26/10: uma tempesta-de violenta arrancou árvores inteiras, en-tortou postes e impe-diu o fechamento da edição do Canal. Esse foi o primeiro apagão.

da quin- ta-feira, 27/10, ocorre o se-gundo apagão: a re-dação parece não acreditar. O deadline é adiado mais uma vez.

da sexta-feira, 28/10, horário do ter-ceiro apagão: teorias conspiratórias co-meçam a fazer (muito) sentido!

domingo, 30/10, horário em que o Canal finalmente en- tra no ar! Mas o mis-tério paira na reda-ção: quem? por quê? São cenas do próximo capítulo...